Saudações

Pesquise - Assista - Opine















Loading...

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Etanol

O etanol (álcool etítilico) é uma das substâncias mais antigas e utilizadas pelo homem, a qual  já foi usada em rituais religiosos, eventos recreativos, tratamentos medicinais , sanitários e atualmente em grande escala como combustível de energia alternativa. 
No contesto farmacodinâmico o etanol é uma substância que tem sua principal ação no sistema nervoso central, atuando como um depressor deste sistema. Sua ação no SNC passa por várias etapas, e estas estão diretamente ligadas no aumento da concentração do etanol no meio sistêmico causando em quem o ingere desde a diminuição da inibição da timidez  até mesmo estimulando a libilidade e posterior relaxamento.  A medida que ocorre o aumento da dosagem, é evidente a perda de equilíbrio, alteração na marcha (ziguezague) podendo chegar em estágios de depressão respiratória ,  coma e raramente morte.
Atua nas fendas sinápticas impedindo que as substâncias supressoras do sistema nervoso continuem seu trabalho mantendo o cérebro com sua atividade normal, praticamente desligando  as regiões responsáveis pelo raciocínio lógico e comportamento racional, sendo esta região localizada no córtex, em sua região frontal. Quando o córtex  tem sua atividade reduzida e o indivíduo ainda permanece em vigília o sistema límbico entra em ação, e como esta parte do cérebro tem um papel na preservação da espécie, sugere-se que a libido seja estimulada por ele.
Há estudos que o álcool administrado em pequenas dosagens pode trazer benefícios ao organismo, porém indivíduos com problemas relacionados ao sistema gástrico, etilistas em estágios de desintoxicação  ou pessoas que fazem uso de medicamentos que interagem com o etanol devem evitar mesmo estas pequenas dosagens.

A farmacocinética do etanol: 
O etanol  é completamente absorvido no trato gastrointestinal após a administração oral e sua absorção se dá por todas as porções deste trato. O ritmo de absorção é determinado pela composição do conteúdo gástrico.(Charles R. Craig e Robert E Stitzel 1985). Embasado nisso pode-se afirmar que a ingestão de alimentos junto a  bebidas alcoólicas, e até mesmo o tipo de bebida (fermentadas ou destilados) podem alterar a quantidade de álcool absorvido corroborando para a diminuição da diminuição de etanol a ser absorvido. Em se tratando de bebidas fermentadas, que além de possuírem níveis de etanol mais baixos que os destilados, possuem em sua composição substâncias que tardia a sua absorção.
A sua distribuição pelo organismo é rápida e uniforme, inclusive atravessando rapidamente a placenta e entrando na circulação fetal. A distribuição uniforme do etanol auxilia muito na questão de exames de caráter forenses para a determinação de etanol, tanto presentes no sangue como no ar expirado pelo pulmão. No Brasil a lei seca não permite mais que 0,1 mg de etanol por litro de ar expelido e 0,2 g por litro de sangue, devendo o motorista com teores alcoólicos acima destes valores responder nas esferas administrativas e criminais previstas pelas leis de transito brasileiras.
O metabolismo do etanol se dá por dois sistemas enzimáticos sendo a enzima Álcool desidrogenase a mais atuante e as enzima de sistema de microssomal de função mista em menor extensão mas sua ação com o etanol tem caráter importante, principalmente porque este grupo metaboliza também muitos farmacos.
A enzima álcool desidrogenase utilizando NAD como substrato transforma o etanol em acetaldeído e ainda libera NADH, posteriormente a enzima acetaldeído desidrogenase transforma o acetaldeído em CO2 e água.
A enzima álcool desidrogenase tem seu funcionamento linear sendo considerado um sistema de metabolização de ordem zero, ou seja, mesmo que aumente as concentrações do etanol, o sistema enzimático trabalha com a mesma velocidade de transformação. Nos adultos normais a biotransformação do etanol é de 10 a 15 ml por hora, o que demonstra que este é um produto perigoso se ingerido exageradamente. Para ficar fácil saber quanto tempo o álcool leva pra ser biotransformado,podemos estimar através dos dados apresentados acima, levando em consideração que o indivíduo que o ingeriu tem 70 kg de massa e não possui nenhuma disfunção hepática, renal o respiratória. A estimativa tem como base em achar, no caso da cerveja que possui 5% de teor alcoólico o etanol presente ex:
2000 ml ... 

4 ml de etanol-----------------------100 ml
x ml de etanol -----------------------2000ml
X= 80 ml de etanol
Agora basta saber quanto tempo leva para ser biotransformado baseando que o organismo biotransforma 15 ml de etanol por hora:

              15 ml------------------1 hora
              80 ml------------------x hora
              X = 5,3 horas

Para destilados a conta é a mesma basta apenas trocar os teores.
A excreção do etanol a qual está relatada em torno 2 a 10% , já que o etanol é extensamente biotransformado, ocorre tanto através da urina e também do sistema respiratório.

O uso do etanol de forma recreativa é um sério problema para a sociedade em todas as esferas,e pode levar os usuários de uso recreacional a usuários crônicos. A sua desintoxicação é cara e demorada para os etilistas crônicos e os transtornos para os familiares são incalculáveis.
Na tentativa de auxiliar os etilistas no tratamento utiliza-se uma terapia administrando um medicamento que possuí em sua composição uma molécula ativa chamada dissulfiram, a qual é inibidora da enzima aldeído desidrogenase, que ao ser inibida aumenta os níveis de aldeído no sangue provocando fortes reações colaterais(vômitos, tonturas, arritmias, vermelhidão entre outras), caso o indivíduo ingira etanol, desencorajando o indivíduo a ingerir a bebida alcoólica.

Referência bibliográfica:
 Craig. Charles R.; Stittzel Robert E. Farmacologia Moderna Editora Roca 1985.
 


Nenhum comentário:

Postar um comentário